Subida ao Vulcão Chaitén

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on Pinterest

O Vulcão Chaitén foi cenário de uma das grandes demonstrações da força da natureza nos últimos anos. Após muitos anos inativo, em maio de 2008 despertou com força total.

Era madrugada quando a cratera explodiu e expeliu enormes colunas de cinzas que atingiram boa parte do Chile e Argentina, fechando aeroportos e obrigando a evacuação de cidades.

Dois dias depois houve erupção de lava e destruiu toda a floresta em seu entorno. Nos dias seguintes houve muita chuva, o que aumentou o cenário de destruição.

A cidade de Chaitén foi a mais atingida. O rio Blanco teve seu curso mudado e dividiu a cidade, a praia recuou cerca de 500 metros, deixando a nova orla com uma área cheia de cinzas vulcânicas, troncos retorcidos e queimados que ali permanecem como uma triste lembrança.

Felizmente não houve vítimas fatais. Conversamos com pessoas que viveram esse momento e nos contaram que vários moradores quiserem voltar à sua terra natal para recomeçar, mas alguns viveram momentos de depressão e faleceram. Outros nunca mais voltaram.

Quando chegamos em Chaitén vimos uma cidade renovada, com algumas obras, movimentada pelos turistas que chegam de barco para iniciar viagens pela Carretera Austral em direção ao sul. Ainda permanece um clima bucólico mas com moradores orgulhosos de seu lugar.

Atualmente o Vulcão Chaitén está “adormecido” e é possível chegar à sua cratera a partir de uma trilha às margens da Carretera Austral. O caminho é bem sinalizado e demora cerca de 3 horas para ir e voltar. A subida é suave no começo mas depois se torna bem íngreme, com degraus de madeira, troncos e pedras. Existem alguns pontos de descanso com bancos feitos em tronco de madeira, onde se aprecia um belo visual. O trecho final antes de chegar à borda da cratera é de terra e testa o fôlego dos aventureiros.

Após a erupção de lava, formou-se dentro da cratera uma elevação secundária, o que aumentou em 200 metros a altura do vulcão, no qual se pode ver fumarola por todos os lados. Da cratera é possível avistar todo o vale oeste do Parque Pumalín, a Carretera Austral, a floresta que se recompõe aos poucos e o rio até sua foz já no Oceano Pacífico.

A sensação de estar ali foi de puro êxtase pela grandiosidade que a natureza mostra. A descida também exige um pouco de fôlego mas ao final dá para se refrescar num riacho de águas cristalinas antes de voltar para a estrada.

A entrada no Parque Pumalín onde fica o Vulcão Chaitén é gratuita e conta com outras trilhas muito interessantes.

=> Coordenadas GPS do início da trilha: -42.808343 -72.667433

:: Confira Algumas Fotos do Vulcão Chaitén no Chile ::

A cidade de Chaitén renasce aos poucos em meio ao cenário de maio de 2008

A cidade de Chaitén renasce aos poucos em meio ao cenário de maio de 2008

 

Troncos queimados e retorcidos testemunham a força erupção

Troncos queimados e retorcidos testemunham a força erupção

 

A orla que agora não tem mais praia

A orla que agora não tem mais praia

 

A cratera do vulcão Chaitén ainda solta as fumarolas

A cratera do vulcão Chaitén ainda solta as fumarolas

 

Início da trilha para o vulcão

Início da trilha para o vulcão

 

A história contada no caminho da subida

A história contada no caminho da subida

 

Subida pra valer

Subida pra valer

 

Ânimo!

Ânimo!

 

Pontos de descanso com um belo visual

Pontos de descanso com um belo visual

 

Último trecho da subida até a cratera. Natureza que se mostra no que restou da força da erupção e capacidade de regeneração

Último trecho da subida até a cratera. Natureza que se mostra no que restou da força da erupção e capacidade de regeneração

 

O rio Rayas segue até o Pacífico, visto da cratera do vulcão

O rio Rayas segue até o Pacífico, visto da cratera do vulcão

 

A cratera agora tem duas elevações de cerca de 200 metros

A cratera agora tem duas elevações de cerca de 200 metros

 

Na borda da cratera

Na borda da cratera

Árvores centenárias reduzidas a troncos e cinzas e a natureza que se recompõe

Árvores centenárias reduzidas a troncos e cinzas e a natureza que se recompõe

 

As flores que agora enfeitam a paisagem

As flores que agora enfeitam a paisagem

 

Lado oeste do Parque Pumalín, Rio Rayas e a Carretera Austral

Lado oeste do Parque Pumalín, Rio Rayas e a Carretera Austral

 

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on Pinterest

:: Deixe Seu Comentário ::