Os Mistérios de NAZCA

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on Pinterest

OS MISTÉRIOS DE NASCA

Chegar a Nasca após dois meses viajando pelos Andes foi uma alegria. Desfrutamos muito do tempo em que estivemos sempre acima dos 3.000m, em alguns pontos a mais de 5.000m de altitude, mas ao aproximarmos da costa do Pacífico e do calor nos trouxe novas energias.

Fizemos o trajeto entre o Vale Sagrado e Nasca em dois dias e meio, assim pudemos curtir a paisagem e a estrada que serpenteia intermináveis vales e montanhas. Dormimos em pequenas cidades e até numa praça de pedágio, lugar onde fez mais frio até então: -3,5°c, a 4.300m de altitude. Mais uma vez nossa provisão de água ficou congelada. Como já estávamos aclimatados com a altitude, nosso saco de dormir deu conta do recado e passamos uma noite tranquila.

A paisagem ao chegar em Nasca muda drasticamente em relação aos Andes. Muita aridez, menos montanhas, menos água. Nesse último quesito tivemos a primeira surpresa com relação a civilização Nasca, que habitou a região entre os anos 400 a.C e 300 d.C.

Serpenteando por montanhas e vales em direção ao Deserto de Nasca

Serpenteando por montanhas e vales em direção ao Deserto de Nasca

Assista: Vídeo com Nosso Sobrevoo Sobre as linhas de NAZCA

Aqueduto de Cantallloc

Nos impressionamos com a engenharia hidráulica que os Nascas desenvolveram para captar água do subsolo e distribuí-la por canais subterrâneos a diferentes partes da região.

Os chamados aquedutos impressionam também por sua beleza arquitetônica. São canais subterrâneos e em forma sinuosa para diminuir a velocidade da água, evitando assim algum processo erosivo. Ao longo dos canais existem os “ojos” ou “respiradores” que servem como pontos de inspeção. Tem formas espirais e escalonadas e foram construídos com pedras de canto rodado, planas e com o uso de troncos do huarango (algarrobo) que resistem até hoje. Os aquedutos tem profundidades entre 3 e 12 metros estão próximos um do outro.

Visitamos o Aqueduto de Cantalloc, bem próximo ao centro da cidade. Existem cerca de 50 aquedutos conhecidos onde se pode apreciar o conjunto da obra. Alguns inclusive são utilizados até hoje. Conhecemos nesse mesmo passeio Los Paredones (centro administrativo Incaico), Geóglifos Las Agujas de Cantalloc mas não tivemos tempo de visitar o Telar de Cantalloc, que estava incluído no mesmo ticket. Para conhecer esses quatro lugares com tranquilidade, recomendamos reservar pelo menos três horas, considerando o horário de visitas que se encerra às 17h e que nessa época (maio) escurece por volta das 18 horas.

Aquedutos de Cantalloc

Aquedutos de Cantalloc

Ruínas de Cauhachi

Nos arredores da cidade conhecemos as ruínas de Cauhachi. Com arquitetura monumental para a época, era o centro cerimonial da cultura Nasca. São cerca de 36 pirâmides, algumas ainda quase que totalmente soterradas. A principal foi restaurada e é possível apreciar algumas partes de outras pirâmides em seu estado original. No caminho entre a cidade e Cauhachi existem outros sítios arqueológicos e cemitérios daquela época. Na volta curtimos um belo pôr do sol.

 

Cauhachi - pirâmide principal

Cauhachi – pirâmide principal

Planetário Maria Reiche

Na parte da noite uma boa opção é assistir a apresentação dos estudos sobre as misteriosas linhas e figuras deixadas no deserto pela civilização Nasca. Projetada no teto do planetário, as imagens mostram as várias hipóteses pelas quais as linhas foram feitas. Muito interessante para entender algumas coisas antes sobrevoar o deserto ou visitar os mirantes.

Antes da apresentação os visitantes tem a oportunidade de observar o céu através de telescópio. Na noite que estivemos lá pudemos ver apenas a Lua e Júpiter pois o céu estava parcialmente encoberto.

Hotel Líneas de Nazca, onde funciona o planetário

Hotel Líneas de Nazca, onde funciona o planetário

Cemitério a Céu Aberto

Saímos até a rodovia Panamericana em direção ao sul e chegamos ao Cemitério de Chauchilla. Este sítio arqueológico pertence ao período pré incaico e algumas fontes apontam que pertenceu a cultura Huari e outras associam à cultura Nasca. Ali existem com múmias preservadas graças ao clima árido do deserto. Em algumas é possível ver ainda cabelos e partes da pele. Nas tumbas também é possível ver fragmentos de cerâmica e tecidos da época. Sem dúvida é uma experiência imperdível, até porque Chauchilla é a única necrópole no Peru onde se pode ver as múmias em seu estado local original, embora tenham sofrido saques de seus tesouros arqueológicos ao longo dos anos.

Múmia no Cemintério Chauchilla

Múmia no Cemintério Chauchilla

Linhas de Nasca

Obviamente o passeio principal na cidade é conhecer as famosas e misteriosas Linhas de Nasca, que foram declaradas Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco em 1994.

Existem algumas opções para conhecer as Linhas, sendo que a principal é fazer um sobrevoo, assim é possível ver quase todas as figuras (são 12 as mais conhecidas), além de intermináveis linhas que cortam o deserto. Outra opção é visitar um mirante metálico na Rodovia Panamericana, a 25 km do centro da cidade. Desse mirante é possível avistar as figuras da árvore, mãos e lagarto, além de outras linhas retas. Ali próximo também existe um mirante natural de onde se avista diversas linhas traçadas no deserto.

Tivemos a oportunidade de fazer o sobrevoo, que durou cerca de 30 minutos. Éramos quatro passageiros, além do piloto e copiloto.  Estava um lindo dia de sol, o que permitiu avistar quase todas as figuras com clareza. Do alto algumas figuras parecem pequenas mas impressionam por sua simetria, formas e representações feitas com desenhos rasos no chão por meio da remoção de pedras e deixando à mostra o chão esbranquiçado por baixo.

As figuras representam animais, figuras humanas, formas geométricas, aves e peixes. Existem diversas teorias do que teria motivado a construção dessas linhas. As principais apontam motivação religiosa, rituais invocando chegada de água, sistemas de irrigação, calendários astronômicos e fertilidade.

As figuras mais emblemáticas são a do colibri, macaco, aranha e do astronauta – esse é o único desenhado em alto relevo, na encosta de uma montanha.

Ao deixarmos a cidade de Nasca em direção ao norte, paramos no mirante metálico, o que nos permitiu ver mais de perto as intrigantes figuras.

Deserto de Nazca e linhas a perder de vista

Deserto de Nazca e linhas a perder de vista

Amigos pelo caminho

É sempre uma alegria quando encontramos pessoas que estão vivendo a experiência de uma expedição. Conhecemos a Família Viajera (https://www.facebook.com/losvalinotti/) na nossa visita ao Planetário. Frederico e Soledad estão viajando desde Córdoba, Argentina há três meses com um casalzinho de filhos e tem uma estória encantadora de vida e o México como destino principal.

Família Viajera, amigos argentinos a caminho do México

Família Viajera, amigos argentinos a caminho do México

• Outas dicas e informações

  • Passeio a Cantalloc (Aqueduto, Los Paredones, Las Agujas e Telar): S/. 10 por pessoa. Guia de turismo S/. 20 (opcional). Caso não esteja com transporte próprio, tomar um táxi a partir de S/.5
  • Passeio a Cauhachi: não existe taxa para conhecê-la mas demos uma contribuição para o Senhor que cuida do lugar. Fica a cerca de 25km do centro de Nasca.
  • Planetário Maria Reiche: S/. 20 por pessoa, duração de 1 hora. Apresentações em francês (18h), inglês (19h) e espanhol (20h). Fica no interior do Hotel Líneas de Nasca, bem no centro da cidade.
  • Cemitério de Chauchilla: S/. 8 por pessoa, horário das 8 às 18h.
  • Sobrevoo: a partir de U$ 65, mais S/. 30 de taxa no aeroporto (preço por pessoa). Nos recomendaram fazer o voo nas primeiras horas da manhã, evitando o meio do dia devido à incidência da luz do sol mais forte sobre as linhas e o deserto, o que prejudica atrapalha um pouco a visualização.
  • Mirante Metálico: S/.3 por pessoa

 

::  Confira as Fotos  ::

Serpenteando por montanhas e vales em direção ao Deserto de Nasca

Serpenteando por montanhas e vales em direção ao Deserto de Nasca

 

Pernoitamos a 4.300m de altitude, ainda nos Andes

Pernoitamos a 4.300m de altitude, ainda nos Andes

 

Água congelada na torneira após uma noite com temperatura de -3,5°C

Água congelada na torneira após uma noite com temperatura de -3,5°C

 

O verde e colorido da montanha vai dando lugar a outra paisagem...

O verde e colorido da montanha vai dando lugar a outra paisagem…

 

Vegetação rasteira e aridez

Vegetação rasteira e aridez

 

Uma das poucas lagoas pelo caminho

Uma das poucas lagoas pelo caminho

 

Pequenos povoados ao longo da rodovia

Pequenos povoados ao longo da rodovia

 

Intermináveis curvas no caminho a Nazca

Intermináveis curvas no caminho a Nazca

 

Aquedutos de Cantalloc

Aquedutos de Cantalloc

 

Aquedutos de Cantalloc

Aquedutos de Cantalloc

 

Aquedutos de Cantalloc

Aquedutos de Cantalloc

 

Aquedutos de Cantalloc

Aquedutos de Cantalloc

 

Cauhachi - pirâmide principal

Cauhachi – pirâmide principal

 

Cauhachi e a pirâmide principal

Cauhachi e a pirâmide principal

 

Agujas de Cantalloc

Agujas de Cantalloc

 

Agujas de Cantalloc

Agujas de Cantalloc

 

Los Paredones

Los Paredones

 

Cauhachi - pirâmide principal

Cauhachi – pirâmide principal

 

Cauhachi e uma pirâmide encoberta, com a parte aparente em seu estado original

Cauhachi e uma pirâmide encoberta, com a parte aparente em seu estado original

 

Pôr do sol no caminho de Cauhashi

Pôr do sol no caminho de Cauhashi

 

Múmia no Cemintério Chauchilla

Múmia no Cemintério Chauchilla

 

Hotel Líneas de Nazca, onde funciona o planetário

Hotel Líneas de Nazca, onde funciona o planetário

 

Pôr do sol em Chauchilla

Pôr do sol em Chauchilla

 

À espera do nosso avião para ver as Linhas de Nazca

À espera do nosso avião para ver as Linhas de Nazca

 

Aranha

Aranha

 

Voando sobre o Deserto de Nazca

Voando sobre o Deserto de Nazca

 

Vales férteis graças a irrigação desenvolvida pelos Nazcas

Vales férteis graças a irrigação desenvolvida pelos Nazcas

 

Montanhas do Deserto de Nazca

Montanhas do Deserto de Nazca

 

O mirante às margens da Rodovia Panamericana Sur de onde é possível avistar as figuras das mãos, árvore e largato

O mirante às margens da Rodovia Panamericana Sur de onde é possível avistar as figuras das mãos, árvore e largato

 

Macaco

Macaco

 

Condor, linhas e retângulos

Condor, linhas e retângulos

 

Alcatraz

Alcatraz

 

O astronauta, única figura em alto relevo

O astronauta, única figura em alto relevo

 

Deserto de Nazca e linhas a perder de vista

Deserto de Nazca e linhas a perder de vista

 

Papagaio, linhas e retângulos

Papagaio, linhas e retângulos

 

Colibri

Colibri

 

A Aranha e linhas

A Aranha e linhas

 

Momentos após o vôo

Momentos após o vôo

 

Pôr do sol em Nazca

Pôr do sol em Nazca

 

Família Viajera, amigos argentinos a caminho do México

Família Viajera, amigos argentinos a caminho do México

 

Nossos carros fazendo pose

Nossos carros fazendo pose

 

Rumo ao norte, próximos ao Mirante Metálico

Rumo ao norte, próximos ao Mirante Metálico

 

Mirante Metálico

Mirante Metálico

 

Nazca, um lugar intrigante que valeu a pena

Nazca, um lugar intrigante que valeu a pena

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on Pinterest

:: Deixe Seu Comentário ::